Heráclito - O obscuro Iluminado

FRAGMENTO (1)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

      

   Embora seja o Logos logicamente real,

   os homens mostram a sua incapacidade

   de conseguir captar este ígneo ideal

   de perfeição e natural reciprocidade.

 

FRAGMENTO (2)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

     

   O Logos apresenta sua boa conjuntura

   que se identifica como rara harmonia,

   todavia a massa humana em desventura

   faz seu equilíbrio somente à revelia.

 

FRAGMENTO (3)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

       

   O sol tem uma dimensão com a relação

   exata, quanto ao seu ângulo ou plano,

   que, da terra, apresenta a proporção

   da largura (tamanho) de um pé humano.

 

FRAGMENTO (4)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

       

   A felicidade é algo deveras abstrato,

   muito além dos prazeres só materiais,

   e este anseio num ser humano é inato

   Com importante diferença dos animais.

FRAGMENTO (5)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Certamente é em vão que se purificam

   os homens com o sangue até coagulado,

   os sonhos e a lama então se unificam

   na ilusão de uma remissão de pecados.

 

FRAGMENTO (6)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Um astro solar permanece sempre novo

   depois de cada dia, equilibradamente,

   porque do astro essencial e luminoso

   ainda deverá surgir um novo nascente.

 

FRAGMENTO (7)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Se tudo neste Logos se transformasse

   apenas em fumaça da noite para o dia

   somente um olfato, que nele restasse,

   é que a tudo e a todos diferenciaria.

 

FRAGMENTO (8)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O contrário apresenta-se convergente

   quando se revela em estado de tensão,

   todavia, quando se mostra divergente

   há uma harmonização em contraposição.
 

FRAGMENTO (9)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Os asnos ou burros elegeriam um lixo,

  enquanto que um Homo sapiens, o ouro,

  os contrários, como que por capricho,

  almejam, até mesmo, opostos tesouros.

 

FRAGMENTO (10)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Marca-se um completo e um incompleto,

  um convergente e ainda um divergente,

  e logicamente um afeto e um desafeto

  tal como contrários interdependentes.

 

FRAGMENTO (11)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Tudo, pois, que é vivo e que rasteja,

  partilha de uma mesma parte da terra,

  para que no Logos dos homens se veja

  a força e a harmonia que lhe encerra.

 

FRAGMENTO (12)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Para a parte interna de um mesmo rio

  novas ou bem diferentes águas afluem,

  e também os vapores quentes ou frios,

  diferentes leitos de rios constituem.

FRAGMENTO (13)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os porcos se comprazem mais com lama

   do que fariam se fosse em água limpa,

   desta maneira este Logos se programa

   por meio de uma harmonia que é ímpar.

 

FRAGMENTO (14)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Heráclito profetiza um fogo infernal

   aos iniciados nos mistérios em união,

   porque os mistérios começam como tal

   pelos homens mais iníquos da direção.

 

FRAGMENTO (15)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Fosse por homenagem ao deus Dionísio,

   ou também por seu contrário, o Hades,

   os bacanais traduziam só os delírios

   que ofuscavam totalmente a realidade.

 

FRAGMENTO (16)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Descartando-se a existência do acaso,

   como poderia qualquer ser se ocultar

   daquilo que nunca conhecerá um ocaso

   como ocorre com a inteligência no ar?
 

FRAGMENTO (17)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Em muitas coisas que são semelhantes

   pode-se ter múltiplas interpretações,

   e assim precisa-se conhecê-las antes

   para se poder transmitir suas lições.

 

FRAGMENTO (18)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Se não se aguarda, muito atentamente,

   não se pode interpretar o inesperado,

   pois acaba passando inadvertidamente

   sem que, nem mesmo, seja evidenciado.

 

FRAGMENTO (19)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Quem ainda não sabe calmamente ouvir,

   naturalmente também não saberá falar,

   pois é necessário saber bem refletir

   para melhor ainda poder se expressar.

 

FRAGMENTO (20)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os homens nascidos preferem o prazer

   vivenciando os seus destinos mortais,

   e aos seus filhos, eles fazem nascer,

   entretanto, eles não refletem jamais

FRAGMENTO (21)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Tudo o que nós podemos ver acordados

  se deteriora bastante e um dia morre,

  mas aquilo que nós vemos adormecidos

  é vivo no sonho e o mesmo não ocorre.

 

FRAGMENTO (22)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Aqueles homens que buscam ouro cavam

  utilizando todas as forças possíveis,

  entretanto, ilusoriamente eles acham

  somente estes valores bem perecíveis.

 

FRAGMENTO (23)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  A justiça também não seria conhecida,

  se não houvessem elos nos contrários,

  então uma disparidade é estabelecida

  para surgirem prudentes e temerários.

 

FRAGMENTO (24)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Honram aos deuses e ainda aos homens

  todas as pessoas mortas numa batalha,

  pois, estão cumprindo as suas ordens

  e livrando os seus entes da mortalha.

FRAGMENTO (25)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Aqueles que obtiverem maiores mortes,

   ou as mortes que forem mais honradas,

   terão merecimento ou melhores sortes

   em suas vidas agora espiritualizadas.

 

FRAGMENTO (26)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Na vida, o homem acende a luz mental,

   na morte, seu corpo perde esta visão,

   porém, ao dormir, seu ser espiritual

   vê o homem morto numa outra dimensão.

 

FRAGMENTO (27)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Enfim depois da morte vem aos homens

   o que eles, normalmente, não esperam,

   desta forma, ação e reação interagem

   num retorno daquilo que eles fizeram.

 

FRAGMENTO (28)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O mais digno de crédito, pela cobiça,

   dá sua custódia para que não se fira

   um pupilo seu, mas a elevada justiça

   condenará o artífice e suas mentiras.

FRAGMENTO (29)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Preferem, as personalidades melhores,

   apenas uma coisa ao invés das demais,

   inversamente às que são muito piores,

   o seu eu eterno, aos valores mortais.

 

FRAGMENTO (30)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O cosmo, o mesmo para todos os seres,

   não o fez, homens e deuses do olimpo,

   porém, ele é fogo vivo que por vezes

   se acende em certas medidas no tempo.

 

FRAGMENTO (31)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Transformando-se o fogo, surge o mar,

   e conjuntamente a terra e os vapores,

   transforma-se este fogo, ao resfriar,

   dando origem a tantos outros valores.

 

FRAGMENTO (32)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Um, o único sábio, ente do fogo vivo,

   não mostrou nenhum nome reivindicado,

   todavia não nega seu poder intuitivo

   se, com o nome de Zeus, for invocado.

FRAGMENTO (33)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Verdadeiramente o Logos tem harmonia

  que o único sábio universal lhe doou,

  sendo que é lei obedecê-lo dia a dia

  visto que, no Logos, Ele nos colocou.

 

FRAGMENTO (34)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Embora ouvindo, os muitos ignorantes

  mostram melhor semelhança com surdos,

  mesmo presentes, eles estão ausentes,

  porque somente assimilam os absurdos.

 

FRAGMENTO (35)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Naturalmente é necessário aos homens

  tornarem-se amantes da boa sabedoria,

  para obter, do Logos, as suas ordens,

  o seu funcionamento e a sua harmonia.

 

FRAGMENTO (36)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  A água apresenta sua origem na terra

  e desta mesma água surgem os vapores,

  já o contrário desta mutação encerra

  a alteração nos elementos anteriores.
 

FRAGMENTO (37)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os porcos preferem se lavar com lama,

   enquanto as aves, em cinzas e poeira,

   acontecem equilíbrios de toda a gama

   neste Logos em que não há fronteiras.

 

FRAGMENTO (38)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Tales é tido como primeiro astrônomo

   e o reverenciam Xenófanes e Heródoto,

   e para confirmar este homem fenômeno,

   testemunham-no Heráclito e Demócrito.

 

FRAGMENTO (39)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Bías foi gerado nesta área de Priene

   tal como filho do bom grego Teutames,

   e a partir de sua fama se compreende

   que ele já é o destaque dos certames.

 

FRAGMENTO (40)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Pode-se adquirir bastante a erudição

   estudando-se adequadamente a ciência,

   entretanto, toda essa rica aquisição

   não ensina a ter a real inteligência.

FRAGMENTO (41)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Uma só verdade um grande sábio busca:

   o vital conhecimento de toda a razão

   pela qual todas as coisas são justas,

   e muito dependentes de ação e reação.

 

FRAGMENTO (42)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Tanto Arquíloco quanto também Homero,

   de nossos concursos merecem expulsão,

   pois ainda que deles adviesse esmero,

   haveria o claro exagero da presunção.

 

FRAGMENTO (43)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Compreende-se, pois, que a presunção

   somente mereça de nós, um vilipêndio,

   e que deva ser sem nenhuma hesitação

   apagada mais que a qualquer incêndio.

 

FRAGMENTO (44)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Pela sua lei todo um povo deve lutar

   afim de construí-la isenta de falhas,

   depois também lutar para a preservar

   como se batalhasse por suas muralhas.

FRAGMENTO (45)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Não seria próprio encontrar no mundo,

  os limites que fossem demais na vida,

  já que o Logos global é tão profundo

  e um infinito traduz as suas medidas.

 

FRAGMENTO (46)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Presunção é como enfermidade sagrada,

  e, assim, atingindo um homem erudito,

  torna sua percepção muito equivocada,

  para deturpadamente se ver como mito.

 

FRAGMENTO (47)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Para poder solucionar grandes coisas

  é deveras importante, principalmente,

  refletir com as suas melhores forças

  e, ainda, não decidir apressadamente.

 

FRAGMENTO (48)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  São arcos que traduzem nomes de vida:

  arco íris e, idem, arco do horizonte,

  todavia, quando uma seta é desferida,

  o arco pode até trazer obra de morte.
 

FRAGMENTO (49)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   A personalidade de um homem para mim,

   poderá ter um valor de até mesmo mil,

   comportando-se tal como anjo serafim,

   para distinguir o seu próprio perfil.

 

FRAGMENTO (49a)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Na intimidade de um rio nós entramos,

   todavia suas águas já são diferentes,

   portanto ali, novamente, nós estamos,

   contudo, não como antes, logicamente.

 

FRAGMENTO (50)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Auscultando a este Logos atentamente

   é deveras sábio refletir e concordar,

   que o Logos total é um e que somente

   o único sábio (Deus), o pode ordenar.

 

FRAGMENTO (51)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Converge consigo mesmo um divergente

   com um equilíbrio de tensões opostas,

   o arco e a lira são algo condizentes

   com a sua harmonia contrária exposta.

FRAGMENTO (52)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O tempo se comporta mais como menino

   que joga e também espalha seus dados,

   traçando a cada um, um certo destino,

   conforme os seus números encontrados.

 

FRAGMENTO (53)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   A guerra que há nos contrários é rei

   ordenando que prevaleçam equilíbrios,

   ação determinando reação é a sua lei,

   para diferenciar homens e princípios.

 

FRAGMENTO (54)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Existe um equilíbrio que é invisível

   No âmago deste Logos que é universal,

   e ele é mais forte do que um visível

   pois ele se fortalece no que é ideal.

 

FRAGMENTO (55)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Prefiro aquilo que aprende uma visão,

   Porque vendo eu memorizo mentalmente,

   E, ainda, aquilo que capta a audição

   E com ela se escuta, entende e sente.

FRAGMENTO (56)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Até Homero, algo sábio entre humanos,

  se enganou muito quando lhe dissemos:

  tudo o que nós pegamos, nós deixamos,

  o que nós não pegamos, nós trouxemos.

 

FRAGMENTO (57)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Até mesmo um grande pensador Hesíodo

  não diferenciou certo a noite do dia,

  visto que, eles, em um mesmo período,

  são oriundos da mesma ígnea harmonia.

 

FRAGMENTO (58)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Assim como um bem e um mal coexistem,

  os médicos tratam porém ferem também,

  auscultando ao Logos talvez pudessem

  curar sem cobrar e sem ferir ninguém.

 

FRAGMENTO (59)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Existe no caminho típico do parafuso

  uma trajetória onde há o duplo curso,

  e por mais que possa parecer confuso

  o seu caminho é reto e, ainda, curvo.
 

FRAGMENTO (60)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Congregando-se os sentidos para cima

   e para baixo em um mesmo referencial,

   gera-se a mesma direção que confirma

   que é sempre única no Logos espacial.

 

FRAGMENTO (61)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O mar para todos os peixes é potável

   porém aos homens ele torna-se mortal,

   logo, a vida neste Logos só é viável

   se cada ser tiver o seu meio natural.

 

FRAGMENTO (62)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Imortais se transformarão em mortais,

   e já, os mortais, em imortais também,

   os imortais não serão cultuados mais,

   mas, os mortais sobreviverão no além.

 

FRAGMENTO (63)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Ante o espírito guardião se levantam

   homens que se graduam como guardiões,

   visto que, na morte, ainda sustentam

   as mais nobres e excelsas convicções.
 

FRAGMENTO (64)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O raio excita bem a energia estática

   Para causar organização na atmosfera,

   diminuindo bem a carga eletrostática

   para um bom equilíbrio que se espera.

 

FRAGMENTO (65)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Para manter um absurdo de indigência

   homens enceguecidos cultivam fortuna,

   empobrecendo o Logos com imprudência

   visto que a inteligência ígnea é una.

 

FRAGMENTO (66)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Resfriando o fogo já surge a matéria

   E, aquecendo-a, surge o fogo de novo,

   aparece ou desaparece outra nova era

   A se unir e se dividir no mesmo fogo.

 

FRAGMENTO (67)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O dia e a noite, o inverno e o verão,

   ou guerra e paz, ou fome e saciedade,

   todos estes contrários em associação,

   mantem o Logos e sua ímpar realidade.

FRAGMENTO (67a)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Tal como uma aranha no âmago da teia,

  que se empenha pela sua estabilidade,

  o nosso organismo também desencadeia

  dinâmicas para manter a sua sanidade.

 

FRAGMENTO (68)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Apesar das muitas feições indecentes

  algumas audições agiam como remédios,

  porquanto liberavam as várias mentes

  dos seus óbices, ansiedades e tédios.

 

FRAGMENTO (69)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Existem duas espécies de sacrifícios:

  a dos purificados e ainda idealistas,

  cuja conduta se reverte em benefício,

  e o outro modo é o dos materialistas.

 

FRAGMENTO (70)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Freqüentemente, as idéias dos homens,

  estabelecem a mais íntima semelhança

  só com as teorias sem grandes ordens,

  tal como se dá com jogos de crianças.

FRAGMENTO (71)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   É essencialmente necessário recordar

   ao homem que esqueceu um bom caminho,

   para, ao Logos, não vir a malbaratar

   evitando um possível destino daninho.

 

FRAGMENTO (72)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Num Logos em que normalmente habitam,

   as pessoas se deixam mesmo confundir,

   dos seus veros princípios se afastam,

   assim, bem pouco conseguem discernir.

 

FRAGMENTO (73)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Logicamente não é recomendável falar

   e ainda agir quando se está sonhando,

   pois esta situação pode proporcionar

   diversos males para quem é sonâmbulo.

 

FRAGMENTO (74)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Não convém atuar nem tão pouco falar

  como pequenas crianças dos genitores,

  e portanto erroneamente se expressar

  numa completa ingenuidade de valores.

FRAGMENTO (75)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

 Até mesmo aquelas pessoas que dormem

 são boas operárias nos ciclos vitais,

 e o gás carbônico elas ainda expelem

 para ser usado por variados vegetais.

 

FRAGMENTO (76)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Da transformação que se tem na terra,

   aparece a água e, dela, aparece o ar,

   e este ar ao ser friccionado encerra

   este fogo que também os fez originar.

 

FRAGMENTO (77)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O ar precisa transformar-se em úmido

   para entrar no íntimo do ciclo vital,

   morre gasoso e então aparece líquido,

   e também sofremos essa morte parcial.

 

FRAGMENTO (78)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O humano não tem o real conhecimento

   e, ao contrário, o Deus divino o tem,

   um ser humano não detecta a contento

   as verdades que o Logos total contem.

FRAGMENTO (79)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  O homem tem semelhança com um menino

  ao se promover hipotética comparação

  entre o seu eu e, Deus, o ser divino,

  pelo elevado desnível de compreensão.

 

FRAGMENTO (80)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Guerra é algo comum a todos os seres

  e a justiça se dá pela ação e reação,

  e então os contrários fazem as vezes

  da discórdia que promove a interação.

 

FRAGMENTO (81)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

 Uma retórica ou a arte dos discursos,

 conduz as pessoas para que se ajuste

 o que é dolo como verdadeiro recurso,

 assim, é a primeira fonte do embuste.

 

FRAGMENTO (82)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

 Existe uma típica escala na natureza

 que se advém do Logos já equilibrado,

 nela, um macaco não apresenta beleza

 se ao homem ele vier a ser comparado.
 

FRAGMENTO (83)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Mesmo o mais interessante dos homens

   parecerá apenas um macaco insipiente

   em saber, em beleza e em outros bens

   se for equiparado ao Deus onisciente.

 

FRAGMENTO (84)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Transformando-se todo o fogo repousa,

   deste modo, a matéria tem sua origem,

   transmudam-se todas as várias forças

   que as muitas materializações exigem.

 

FRAGMENTO (84a)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Fadiga é trabalhar em rude monotonia

   na execução dos repetitivos serviços,

   obedecendo aos mesmos e dia após dia,

   em rotina que se parece com um vício.

 

FRAGMENTO (85)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Lutar contra o desejo é algo difícil

   pois o que ele deseja, ele o adquire,

   usando toda a impulsividade possível

   sem que em seu eu imortal se inspire.

FRAGMENTO (86)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   As coisas divinas para a boa maioria

   escapam mesmo de um bom conhecimento,

   pela falta de fé na divina sabedoria

   que existe além do espaço e do tempo.

 

FRAGMENTO (87)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O homem, portanto, se deixa espantar

   pelo Logos vital em tudo que o cerca,

   muito mal lhe conseguindo visualizar

   devido à forte indolência que o cega.

 

FRAGMENTO (88)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O mesmo homem é morto e ainda é vivo:

   a morte e a vida, o sono e a vigília,

   o velho e o jovem, são confirmativos

   do que vive e morre em seu dia a dia.

 

FRAGMENTO (89)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os despertos, possuem um mundo comum,

   e os que dormem, um outro particular,

   o primeiro está aberto a qualquer um

   o segundo é privativo só para sonhar.

FRAGMENTO (90)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Assim, por este fogo, tudo se cambia,

  e por tudo, este fogo, paralelamente,

  assim como pelo ouro, as mercadorias,

  e as mercadorias pelo ouro novamente.

 

FRAGMENTO (91)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Não é possível entrar por duas vezes

  Num mesmo rio em que antes se entrou,

  pois as águas correram muito velozes,

  e então todo o conjunto se modificou.

 

FRAGMENTO (92)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  A sibila, com sua voz algo delirante,

  proferindo suas palavras sem adornos,

  pode prevenir milhares de anos antes:

  fatos, destinos e também transtornos.

 

FRAGMENTO (93)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  O senhor que há no oráculo de Delfos

  não dá explicação e nem esconde nada,

  somente indica pela intuição os elos

  de entendimento da resposta adequada.
 

FRAGMENTO (94)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O sol não poderá passar suas medidas,

   assim, as Eríneas, ministras de Dike,

   saberão identificá-lo para decididas,

   o trazerem a um nível que se permite.

 

FRAGMENTO (95)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   É melhor disfarçar a vil insipiência

   porém é difícil com um desregramento,

   porque o excesso turva a consciência

   e a insipiência comanda o pensamento.

 

FRAGMENTO (96)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Mais do que a asquerosos excrementos

   deve-se desprezar os rudes cadáveres,

   visto que almas, nos desprendimentos,

   prescindem de corpos mortos no Hades.

 

FRAGMENTO (97)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Toscamente os diferentes cães ladram

   para os homens que eles não conhecem,

   como as pessoas que também gargalham

   dos raciocínios que elas desconhecem.

FRAGMENTO (98)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os espíritos olfateiam, sobrevivendo,

   ao se projetarem no reino dos mortos,

   assim no Hades, eles continuam sendo,

   as mesmas mentes, sem os seus corpos.

 

FRAGMENTO (99)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Se não existisse o sol, naturalmente,

   Dependendo somente dos outros astros,

   existiria noite, todavia, obviamente,

   o Logos manteria seus ígneos lastros.

 

FRAGMENTO (100)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   O sol comanda as alterações sazonais

   viabilizando seus equilíbrios vários,

   onde características estações anuais

   harmonizam-se nos íntimos contrários.

 

FRAGMENTO (101)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Naturalmente eu me busco a mim mesmo,

   inserido neste Logos bem equilibrado,

   e, se um homem não foi gerado a esmo,

   seus fundamentos me serão inspirados.

FRAGMENTO (101a)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Sem dúvidas os olhos são testemunhas

  mais preciosas do que são os ouvidos,

  a visão identifica imagens uma a uma

  e a audição interpreta só pelo ruído.

 

FRAGMENTO (102)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  As coisas da natureza são, para Deus,

  bastante belas, boas e também justas,

  mas aquele que ao Logos não entendeu

  enxerga umas justas, outras injustas.

 

FRAGMENTO (103)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  O princípio e também o fim se reúnem

  na circunferência que há num círculo,

  opostos fundamentais então se fundem

  na reciprocidade que gera um vínculo.

 

FRAGMENTO (104)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Qual pode ser o sentimento e a razão

  daqueles que se guiam pelos cantores,

  e utilizam como um mestre a multidão

  já que a maioria possui maus valores?
 

FRAGMENTO (105)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Heráclito diz que Homero é astrólogo

   quando este diz: nego que ao destino

   logre escapar algum dos homens, logo:

   o livre arbítrio é algo mais genuíno.

 

FRAGMENTO (106)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Heráclito censura em Hesíodo a noção

   de que há dias bons e maus separados,

   já que eles derivam da mesma rotação

   orbitária neste Logos já equilibrado.

 

FRAGMENTO (107)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Para os homens os olhos e os ouvidos

   caracterizam-se como más testemunhas,

   se, de almas iníquas, estão providos,

   pois passam a espalhar suas calúnias.

 

FRAGMENTO (108)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   De quantos presenciei seus discursos,

   nenhum chegou ao ponto de reconhecer

   que a sabedoria traz diferente curso

   do que uma multidão está a percorrer.

FRAGMENTO (109)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Habitualmente, ocultar a insipiência,

   é preferível do que levá-la à mostra,

   escutando, aumenta-se a inteligência,

   e a vil insipiência não fica exposta.

 

FRAGMENTO (110)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Não é bem preferível, para os homens,

   que lhes aconteçam tudo o que querem,

   pois insatisfações originam coragens,

   assim, homens mais eficazes aparecem.

 

FRAGMENTO (111)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Doença e higidez ou fome e saciedade,

   ou fadiga e descanso, são contrários

   que evidenciam nas suas adversidades

   Os opostos como vínculos necessários.

 

FRAGMENTO (112)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Ser um sábio é virtude que é suprema

   e sabedoria é caracterizar a verdade,

   assimilando-a com vitalidade extrema

   após auscultar ao Logos com acuidade.

FRAGMENTO (113)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Verdadeiramente, o pensar reúne tudo,

  tanto matéria quanto energia natural,

  e é possível assimilar este conteúdo

  pela expansão e pela sintonia mental.

 

FRAGMENTO (114)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Deve, quem conversa com inteligência,

  fortalecer-se no que é comum a todos,

  como uma cidade com leis em vigência,

  que tenta expressar as leis do Logos.

 

FRAGMENTO (115)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  A vida apresenta o Logos que aumenta

  a si mesmo através de suas expansões,

  igualmente ao universo que movimenta

  suas galáxias para todas as direções.

 

FRAGMENTO (116)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  É facultado a todo homem inteligente

  conhecer-se a si mesmo ao raciocinar,

  ampliando os horizontes de sua mente

  para, no Logos, poder se identificar.
 

FRAGMENTO (117)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Embriagado, um homem adulto é levado,

   até por criança, numa situação única,

   cambaleante, ele segue descontrolado

   sem ver bem por ter a sua alma úmida.

 

FRAGMENTO (118)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Uma alma seca torna-se deveras sábia,

   E, muito melhor, inquestionavelmente,

   porquanto estando normalmente sóbria,

   apresenta um total controle da mente.

 

FRAGMENTO (119)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Proferiu Heráclito que, para o homem,

   sua índole torna-se seu gênio divino,

   a direcionar desígnios que o impelem

   para construir o seu próprio destino.

 

FRAGMENTO (120)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Limites da aurora e também do poente,

   são a ursa e também o oposto da ursa,

   eles são as balizas do Zeus fulgente

   que um homem capta, interpreta e usa.

FRAGMENTO (121)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Os homens de Éfeso estavam merecendo

   o abandono de sua cidade aos meninos,

   pois, eles baniram Hermodoro dizendo:

   que o melhor busque um outro destino.

 

FRAGMENTO (122)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Heráclito disse com dom: aproximação,

   viabilizando uma união de contrários,

   a caracterização desta inter-relação

   expressa o vínculo de elos primários.

 

FRAGMENTO (123)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   A natureza traz um dom de ocultar-se

   preservando deveras a sua intimidade,

   deste modo cabe ao homem inspirar-se

   para distinguir-lhe as suas verdades.

 

FRAGMENTO (124)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

   Das coisas que são lançadas ao acaso

   o cosmo, mostra um arranjo mais belo,

   nele, o pensamento não conhece ocaso,

   e o infinito torna-se-lhes o seu elo.

FRAGMENTO (125)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Também o ciceão, uma bebida composta,

  terá decomposição se não se o agitar,

  e seus contrários, com tensão oposta,

  numa divergência, irão se harmonizar.

 

FRAGMENTO (125a)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  Que jamais haja uma falta de riqueza

  aos cidadãos de Éfeso constantemente,

  pois deste modo a verdadeira pobreza

  deverá ser elucidada inevitavelmente.

 

FRAGMENTO (126)- DEDUÇÃO EM ESTROFE:

 

  O frio se aquece, o quente se esfria,

  um úmido seca e um seco se umidifica,

  todos os contrários buscam harmonias,

  desta maneira, o Logos se identifica.

 

 

Obs: O livro ainda contem os fragmentos originais de Heráclito e as deduções de todos os fragmentos feitas em prosa (escrita habitual), comparando e inter-relacionando os vários fragmentos entre si.